21 de abr de 2008

Deus Procura Homens Que...

SEJAM VALOROSOS, COMO GIDEÃO

Então, o Anjo do SENHOR veio e assentou-se debaixo do carvalho que está em Ofra, que pertencia a Joás, abiezrita; e Gideão, seu filho, estava malhando o trigo no lagar, para o salvar dos midianitas. - Então, o Anjo do SENHOR lhe apareceu e lhe disse: O SENHOR é contigo, varão valoroso.

Juízes 6. 11 e 12

Certamente, o “SENHOR” (v. 14), e o “anjo do SENHOR”(v. 12), são a mesma pessoa neste caso aqui. Os teólogos chamam essa forma de manifestação divina, de “teofania”, i.e., uma manifestação de Deus em forma física.

Todos que, como Gideão, procuram com toda dedicação servir a Deus, terão a presença atuante, dinâmica, de Deus com eles. Aos crentes do Novo Tesstamento, o próprio Senhor Jesus fez esta promessa (Mt. 28. 19, 20).


SEJAM HUMILDES, COMO MOISÉS

Vá, pois, agora; eu o envio ao faraó para tirar do Egito o meu povo, os israelitas. - Moisés, porém, respondeu a Deus: “Quem sou eu para apresentar-me ao faraó e tirar os israelitas do Egito?” - Deus afirmou: “Eu estarei com você. Esta é a prova de que sou eu quem o envia: quando você tirar o meu povo do Egito, vocês prestarão culto a Deus neste monte”.

Êxodo 3. 10 a 12

Moisés não era apenas Moisés; ele era o Moisés em quem Deus estava cumprindo o Seu propósito. Esse é um segredo universal de homens verdadeiramente grandes. Eles são capacitados mediante a presença e o poder divino. O projeto era de Deus, e não de Moisés. Moisés seria apenas um instrumento. Naturalmente, suas habilidades naturais e seu conhecimento seriam usados no plano. Ele não seria apenas uma marionete. (ati)


ANDEM SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS, COMO DAVI

“...O SENHOR não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o SENHOR vê o coração”. - ...Então o SENHOR disse a Samuel: “É este! Levante-se e unja-o”. - Samuel apanhou o chifre cheio de óleo e o ungiu na presença de seus irmãos, e, a partir daquele dia, o Espírito do SENHOR apoderou-se de Davi. E Samuel voltou para Ramá.

I Samuel 16. 7b, 12b e 13

“...o Senhor vê o coração...” O homem vê a aparência de uma pessoa ou coisa, e assim faz julgamentos precipitados. Mas Deus vê a realidade do homem ou coisa, e faz um juízo verdadeiro. É freqüentemente verdadeiro que as aparências enganam. Os homens são facilmente enganados e atos tolos ocorrem por causa de decepções.

“...levante-se e unja-o....” Já em tenra idade, Davi cultivava um coração voltado para Deus como seu pastor espiritual (ver Sl. 23). O fiel coração de Davi diante de Deus (v.7) foi a razão da sua escolha, por Deus, para ser o próximo rei de Israel.

“...o Espírito do Senhor apoderou-se de Davi...” 1) – Multiplicou-se a capacidade de Davi (17. 33-37); 2) – Aumentou-se-lhe a inteligência e a perspicácia (18. 5; ver 17. 34-36 e 49-50).

“O efeito da descida do Espírito do Senhor sobre Davi foi que o jovem pastor cresceu para tornar-se um herói, um estadista, um erudito, um sábio, um rei de profunda visão” (Ellicott, in loc.).


PREGUEM E SOFRAM PELO NOME DE JESUS, COMO PAULO

Mas o Senhor disse a Ananias: “Vá! Este homem é meu instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e seus reis, e perante o povo de Israel. - Mostrarei a ele o quanto deve sofrer pelo meu nome”. - Então Ananias foi, entrou na casa, pôs as mãos sobre Saulo e disse: “Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que lhe apareceu no caminho por onde você vinha, enviou-me para que você volte a ver e seja cheio do Espírito Santo”.

Atos 9. 15 a 17

“...instrumento escolhido...” “Um vaso escolhido, selecionado. O genitivo de qualidade é muito comum no idioma hebraico, como também no grego “koiné” vernáculo. O Senhor Jesus escolheu a Saulo, antes deste ter escolhido ao Senhor Jesus. E o próprio Paulo, já apóstolo, sentia ser um vaso de barro (ver II Cor. 4. 7), indigno de encerrar tão grande tesouro.

“...sofrer pelo meu nome...” A conversão de Paulo incluiu não somente uma ordem para pregar o evangelho, mas também uma chamada para sofrer por amor a Cristo. Paulo foi informado desde o início que ele sofreria muito pela causa de Cristo. No reino de Cristo, sofrer por amor a Ele é um sinal do mais alto favor de Deus (14. 22; Mt. 5. 11, 12; Rm. 8. 17; II Tm. 2. 3). A morte precisa atuar no crente para que a vida de Deus flua dele para os outros (Rm. 8. 17, 18, 36, 37; II Co. 4. 10-12).

“...cheio do Espírito Santo...” Três dias depois da sua conversão, Paulo recebeu a plenitude do Espírito Santo. A experiência de Paulo forma um paralelo com a dos discípulos no dia de Pentecoste. Primeiro, a sua experiência do novo nascimento; a salvação (ver vv. 3-19 nota; depois ser “cheio do Espírito Santo” (v. 17).


SEJAM OBEDIENTES, COMO ABRAÃO

Pela fé, ofereceu Abraão a Isaque, quando foi provado, sim, aquele que recebera as promessas ofereceu o seu unigênito. - Sendo-lhe dito: Em Isaque será chamada a tua descendência, considerou que Deus era poderoso para até dos mortos o ressuscitar.

Hebreus 11. 17 e 18

A fé e a obediência são inseparáveis entre si, assim como também são inseparáveis a incredulidade e a desobediência.
A obediência de Abraão certamente sacrificaria todo o seu bem-estar. Não fora Deus a fazer a intervenção, o plano teria sido executado. A literatura judaica alude a esse acontecimento como o último e mais severo dos dez testes apresentados a Abraão. (Ver Pirke Aboth 5:4). A fé foi o fator que levou à vitória, nos nove primeiros testes, menos severos; e também foi o fator para obtenção da vitória no teste mais severo de todos; a fé conferiu a Abraão seu melhor momento de obediência.

TENHAM FÉ, COMO NOÉ

Pela fé Noé, quando avisado a respeito de coisas que ainda não se viam, movido por santo temor, construiu uma arca para salvar sua família. Por meio da fé ele condenou o mundo e tornou-se herdeiro da justiça que é segundo a fé.

Hebreus 11. 7

A fé impulsiona diferentes pessoas para diferentes coisas. Noé construiu uma arca e escapou a um horrendo julgamento. A fé nos impelirá a fazer algo que será o cumprimento da vontade de Deus a nosso respeito. Pois nossas missões, que são ímpares para cada um de nós, exigem uma expressão ímpar de fé. Além disso, as responsabilidades individuais, e os diferentes deveres do dia a dia, exigem uma manifestação especial de fé.

O Novo Testamento também declara que Noé não somente era justo, como também pregador da justiça (2 Pe. 2.5). Nisso, ele é exemplo do que os pregadores devem ser.

SEJAM ÍNTEGROS, COMO JÓ

Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; e este era homem sincero, reto e temente a Deus; e desviava-se do mal. Jó 1.1.

Nunca darei razão a vocês! Minha integridade não negarei jamais, até a morte. - Manterei minha retidão, e nunca a deixarei; enquanto eu viver, a minha consciência não me repreenderá.

Jó 27. 5 e 6.

1– O temor de Deus e o desviar-se do mal são o fundamento da vida irrepreensível e da retidão de Jó (cf. Pv. 1. 7). “Sincero” refere-se a integridade moral de Jó e à sua sincera dedicação a Deus; “reto” denota retidão nas palavras, nos pensamentos e atos. (2) – Esta declaração da retidão de Jó é reafirmada pelo próprio Deus no versículo 1.8 e em 2.3 onde, claramente, se vê que Deus, pela sua graça, pode redimir os seres humanos caídos, e torná-los genuinamente bons, retos e vitoriosos sobre o pecado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Pessoal todos estão autorizados a deixar o seu comentário do conteúdo deste Projeto e assim que puder estarei lendo e se possível respondendo.
Fiquem com Deus!