06/11/2008

Sobre a vaidade da vida

Eclesiastes - 11 - 7 : 7

Etimologia

Em primeiro lugar vamos ver o que significa vaidade na nossa língua portuguesa: Vaidade, segundo o dicionário Aurélio, é a qualidade daquilo que é vão (fútil, insignificante, que só existe na fantasia, falso, ilusório e inútil), pode ser também um desejo imoderado de atrair a admiração; presunção. No caso aqui deste estudo o que iremos tratar é do primeiro sentido da palavra sem entrarmos no mérito do segundo que realmente não tem ligação com o que o autor nos quer dizer.

Introdução e contexto

O livro de Eclesiastes foi escrito pelo rei Salomão quando ele já estava com uma idade avançada, no final de sua vida. O propósito do livro é o de remover o escândalo causado por ele com a sua idolatria e o seu afastamento de Deus (1Reis11), e para advertir aos mais jovens que não cometessem os mesmos erros que ele houvera cometido (Ec.7:29). Antes de entrarmos no estudo em si, vamos ver alguns aspectos da vida de Salomão que nos ajudarão a entender o que o rei quis dizer quando escreveu o Eclesiastes:

1. Filho do rei Davi com Bate-Seba (2Sam.12:24).
2. Era amado de Deus, Jededias (2Sam.12:25).
3. O seu nome significava “pacífico”, (heb. SHELÔMÕH). Exatamente pela sua característica de pacificador e não de guerreiro conquistador, como foi Davi, é que o templo ao Senhor foi edificado durante o seu reinado em Jerusalém (1Reis 6).
4. Foi criado num lar cheio de problemas morais, tais como: o incesto entre seus irmãos Tamar e Amnom (2Sam.13:1-17), o assassinato de Amnom por Absalão (2Sam.13:23-29), Absalão toma o trono do pai Davi (2Sam.15:1-8), o escândalo criado por Absalão ao deitar-se com as concubinas de seu pai (2Sam.16:20-23) e outros escândalos que envolveram a vida do rei Davi, como o próprio casamento de Davi e Bate-Seba (2Sam.11:26-27). Apesar de seu pai ter sido um ótimo rei, ele foi um péssimo pai que acabou por deixar sua família seguir para um fim trágico.
5. Foi ungido rei e aos vinte anos de idade começou a reinar sobre Israel. (1Reis1:23-40).
6. Começou muito bem o seu reinado pedindo a Deus sabedoria para que julgasse o povo (1Reis3:3-28).
7. Edificou o Templo ao Senhor (1Reis 6).
8. Fez aliança como Senhor (1Reis9:1-9).
9. Cometeu idolatria (1Reis11:1-8).
10. Recebeu a ira de Deus (1Reis11:9-13).

Baseados nestes aspectos, podemos notar que uma boa parte da vida de Salomão – principalmente à partir de sua idolatria ainda na mocidade – foi vivida longe dos desígnios de Deus, fato que nos ajudará a entendermos o que Eclesiastes quer dizer com respeito a vaidade.A palavra vaidade é a chave deste livro e aparece 37 vezes recebendo aqui o sentido de: vapor, sopro, bolha, ou seja, coisa passageira de aproveitamento nulo. E era exatamente isto que Salomão estava sentindo quando escreveu este livro, ele sentia que toda a sua vida tinha sido correr atrás do vento, ou seja sem sentido algum.


As vaidades da vida

Salomão classificou algumas obras suas como sendo vaidade mostrando assim a sua profunda depressão momentânea que não o permitia ver nada de bom naquilo que houvera feito até então:1. a vaidade da possessão (Ec.2:1-11)2. a vaidade da sabedoria (Ec.1:17-18;2:12-17) O saber tornou-se em enfado pelo fato de que acabou não sendo aplicado como devia, o que trouxe condenação.3. a vaidade do trabalho (Ec.2:18-26). O sábio havia perdido a esperança quanto ao futuro de sua posteridade. Ele não havia dado bons exemplos.

Tudo é vaidade?

Se formos observar o escrito de Salomão sem contudo atentarmos para os fatos que o levaram a escrevê-lo, diremos que realmente tudo o que acontece nas nossas vidas, e até o nosso próprio viver é vaidade, é correr atrás do vento. A resposta a esta pergunta é não, nem tudo é vaidade. Salomão escreveu o que escreveu devido ao seu distanciamento de Deus durante os dias da sua mocidade e até aos dias de sua velhice. Não obstante a toda a sua sabedoria para reinar e julgar as questões entre o povo, nem à sua incalculável riqueza, o sábio “não soube aplicar devidamente a sua sabedoria ” no que diz respeito ao seu próprio viver, notando apenas muito mais tarde que sua vida não tinha valor algum distante de Deus. Ele chegou à sua velhice com um sentimento de vazio muito grande; vazio causado por uma vida desregrada e carregada de descompromisso com as verdades divinas que houvera aprendido até então. A vaidade da vida não é a vida em si, mas a maneira com a qual se vive a vida, se vivermos segundo os propósitos de Deus, ainda que sejamos pobres ou incultos em certas áreas teremos uma vida abundante, do tipo que vale a pena ser vivida, pois é uma vida com Deus. Já se porventura optarmos pelo contrário, provavelmente chegaremos ao fim de nossa vida com o mesmo sentimento de vazio que sentiu Salomão, e a vida para nós terá se tornado realmente uma vaidade de vaidade, um correr atrás do vento.

Vida abundante

Já vimos o que levou a Salomão a sentir-se vazio e agora veremos como nós podemos fazer para vivermos abundantemente sem que nossa vida seja uma profunda vaidade de viver. A palavra de Deus nos ensina que vida abundante é só em Jesus (Jo.10:10), e este privilégio todos nós já gozamos, porém devemos colocar em prática esta abundância de viver. Em 1Cor.10:31 encontramos uma fórmula de viver-se abundantemente, que é o dar graças em tudo. Em Ec.12:1 o pregador exorta-nos a lembrarmo-nos de Deus nos dias da nossa mocidade, e este lembrar significa viver constantemente na presença de Deus. Orar, ler a Bíblia, jejuar e testemunhar são as melhores maneiras de se viver na presença do Senhor.

Desafio

Que tipo de vida temos vivido hoje, uma vaidade de viver ou uma vida abundante em Deus? Apesar de não sermos tão sábios quanto o rei Salomão, é necessário que saibamos aplicar a nossa sabedoria para vivermos abundantemente uma vida com Deus, de tal forma que possamos futuramente ou hoje mesmo olharmos para trás e vermos que não corremos atrás do vento e sim termos a certeza de que o nosso viver valeu a pena em Deus

Autor: Alessandro Capelari


Minha Opinião.

Bom vamos lá. Segundo o dicionário nos revela a palavra "Vaidade é o desejo de atrair a admiração das outras pessoas", ou seja, uma pessoa vaidosa cria uma imagem pessoal para transmitir aos outros, com o objetivo de ser admirada. Mostra com extravagância seus pontos positivos e esconde seus pontos negativos.
Vemos hoje em dia muitos dizerem a cerca de vaidade somente nas roupas, adereços, etc. Quando na verdade tudo o que fazemos sem estar voltado em honrar á Deus acaba sendo vaidade.
Vemos também que uma pessoa vaidosa pode ser gananciosa, por querer obter algo valioso, mas é só para causar inveja nos outros, ou através dessa ganancia essa pessoa faz de tudo para ser maior do que o seu próximo, sempre para que ela possa estar no ápice da situação, ou seja, por cima de tudo e de todos.
Analisando a vida de Solomão como no estudo acima, aprendo que tudo que fazemos sendo para Honrar á Deus sendo na Vitória ou na Derrota, não será visto pelos olhos do Senhor como Vaidade e sim como Bênção para a nossa vida.
Portanto nunca faça nada para que as pessoas te coloque em um pedestal mais alto do que os outros, mas faça as coisas somente para que Deus seja colocado nesse pedestal, pois sempre temos que diminuirmos para que o Senhor cresça em nossa vida.
Vaidade então não é nada mais do que uma forma de nos expormos para que as pessoas nos observe sempre, sendo que o único que pode nos observar é o nosso Deus, pois em Salmos 139 diz isso.
Fique com Deus

Ricardo Fabris.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá Pessoal todos estão autorizados a deixar o seu comentário do conteúdo deste Projeto e assim que puder estarei lendo e se possível respondendo.
Fiquem com Deus!